Milhares de estudos médicos que circulam pela internet são inúteis!


Estamos falando daqueles pequenos defensores da ciência do consenso, os blogueiros que amam e adoram todos os pronunciamentos oficiais que vem do encanamento de revistas médicas e médicos ilustres.

Queridos blogueiros: Milhares de estudos publicados que você cita e elogia estão errados, inúteis, irrelevantes, enganosos, e os periódicos médicos sabem disso e não fazem nada de útil a esse respeito.

O problema? Linhas celulares. Estas células são cruciais para a investigação de laboratório sobre a toxicidade de medicamentos e a produção de proteínas. Saber exatamente quais linhas de células estão sendo estudadas é absolutamente necessário.

E nisso reside o gigantesco problema.

Statnews.com tem a história dessa bomba publicada (21 de julho de 2016):

Estimativas recentes sugerem que entre 20% e 36% das linhas celulares que os cientistas usam são contaminadas ou mal identificadas, passando como células de tecido humano que, de fato, vêm de porcos, ratos ou camundongos, ou em que a célula humana desejada está contaminada com outras células desconhecidas. Mas, apesar de saber sobre o assunto há pelo menos 35 anos, a grande maioria dos periódicos ainda precisam colocar qualquer tipo de aviso sobre os milhares de estudos afetados.

Uma linha celular envolvida são as chamadas células HeLa. Estas células cervicais cancerosas, nomeadas por Henrietta Lacks, de quem foram cultivadas primeiramente no inicio dos anos 50, elas são ubiquitárias nos laboratórios, proliferam descontroladamente e, contaminam de toda a maneira as células nas quais entram em contato. Duas outras linhas em particular, a HEp-2 e a INT 407, são agora conhecidas por terem sido contaminadas com células HeLa, o que significa que os cientistas que pensavam estar trabalhando em HEp-2 e INT 407 de fato estavam experimentando células HeLa”.

Christopher Korch, geneticista da Universidade do Colorado, estudou a questão. De acordo com Korch, quase 5.800 artigos em 1.182 revistas podem ter confundido HeLa para HEp-2; Outros 1.336 artigos em 271 revistas podem ter misturado HeLa com INT 407. Juntos, os mais de 7.000 documentos foram citados cerca de 214.000 vezes, informou a Science no ano passado.

E isso é apenas duas linhas de células. Ao todo, mais de 400 linhagens celulares não possuem evidência de origem ou se tornaram contaminadas cruzadamente com células humanas ou outras células animais em algum ponto de sua linhagem laboratorial. Linhas celulares são muitas vezes suprimidas por sua capacidade de reproduzir e ser criados por longos períodos de tempo, então elas são insetos resistentes que podem se mover livremente em um laboratório, e eles podem parar nas luvas de um pesquisador, por exemplo. “É surpreendentemente fácil para as linhas de células se contaminarem”, escreveu Amanda Capes-Davis, presidente do Comite Internacional de Autenticação de Linhas Celulares(International Cell Line Authentication Committee), em uma postagem para a Retraction Watch. “Quando as células são colocadas pela primeira vez em cultura, elas geralmente passam por um período de incubação quando há pouco ou nenhum crescimento, antes de uma linha celular emergir. Uma única célula introduzida de outro lugar durante esse tempo pode superar a cultura original sem que ninguém esteja ciente da mudança na identidade “.

Entendendo o ponto central da questão

Um enorme número de estudos publicados baseiam-se em saber quais células estão sendo usadas e testadas. E a maior parte do tempo, os pesquisadores não sabem. Eles fingem que sabem, mas não.

Seu trabalho não é completamente confiável.

Todos os envolvidos (por décadas) olham de outra maneira.

É o segredo sobre o qual ninguém quer falar.

Milhares e milhares e milhares de estudos médicos são inúteis, e suas conclusões são infundadas, e acabam sendo aleatórias.

Isto é como dizer, “Bem, nós construímos todos os edifícios na cidade, mas o concreto que usamos era provavelmente papelão. Não vamos falar sobre isso. Vamos apenas esperar e ver o que acontece.”

Milhões de pacientes que estão tomando drogas são cobaias. Os pesquisadores testaram originalmente a toxicidade de drogas em células que supunham serem relevantes, mas estavam errados. Eles disseram que as drogas eram seguras, mas estavam trabalhando com células que não tinham relação com a segurança.

Esta é uma razão pela qual, em 26 de julho de 2000, a Dra. Barbara Starfield, uma especialista em saúde pública altamente respeitada na Escola de Saúde Pública Johns Hopkins, poderia concluir, no Journal of the American Association, que a FDA aprovou medicamentos para matar 106.000 americanos todos os anos, o que se torna um MILHÃO de mortes por década.

Os pesquisadores originais sobre essas drogas fingiram que sabiam o que estavam fazendo.

Fingiram!

Tudo o que estou descrevendo e citando neste artigo.

O FDA sabe sobre ele.

O CDC sabe disso.

A Organização Mundial de Saúde sabe.

Departamentos nacionais de saúde em todo o mundo sabem.

As escolas médicas sabem.

Muitos médicos sabem.

Muitos, muitos pesquisadores sabem.

Muitos executivos do hospital sabem.

Todos os executivos farmacêuticos sabem.

Muitos repórteres médicos convencionais sabem.

Todas as revistas médicas sabem.

Mas eles continuam a promover notícias falsas que destroem a vida.

Autor e fonte: Jon Rappoport, Convidado para o The Waking Times

Anúncios

4 Respostas para “Milhares de estudos médicos que circulam pela internet são inúteis!

  1. Pingback: 5 sinais que o controle da Matrix evolui rapidamente | S U P R I M A T E C·

Participe da discussão

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s