4 lugares na Terra para buscas as primeiras evidências de vida


Como é difícil encontrar rochas com mais de 3,6 bilhões de anos.

Rocha vermelha no Quebec

Rocha Vermelha no Quebec: Dominic Papineau

Para os cientistas que procuram por evidências da vida mais antiga na Terra, há apenas quatro lugares em todo o planeta para buscar. Somente no Québec, Labrador, Groenlândia e Antártica Oriental é possível encontrar rochas sedimentares que remontam à Era Arqueana, época em que a vida neste planeta acabava de começar há mais de 3,6 bilhões de anos.

Nesses poucos afloramentos, os cientistas procuram microfósseis deixados por antigos micróbios. Em um recente artigo da Nature, uma equipe de cientistas apresentou evidências de microfósseis que poderiam ser os vestígios mais antigos da vida jamais encontrada.

Descobrimentos como este são geralmente controversos, porque, para ter sobrevivido por todo esse tempo, estas pedras passaram por muitas coisas: alguns cientistas pensam que as estruturas detalhadas na publicação recente, também poderiam ter sido formadas quando as rochas foram deformadas em algum ponto da sua história.

O fóssil em questão veio de um cinturão de rochas em Québec, que foi formalmente datado apenas nas últimas duas décadas. Este cinturão de rochas particulares é isolada o suficiente que, depois que estas pedras foram investigadas pela primeira vez na década de 1960, havia pouco trabalho feito para mapear ou data-las até uma equipe de geólogos canadenses começar a explorar a área no final dos anos 1990. Uma vez que a equipe começou a determinar as idades das pedras, no entanto, estava claro que elas eram muito, muito mais antigas.

O cinturão supracrustal em Quebec

O cinturão supra crustal no Quebec: NASA

Viaje para os remotos trechos do norte de Quebec, e é possível caminhar sobre esta rocha antiga. “Nós não precisamos perfurar ou fazer qualquer coisa. A rocha está completamente exposta à atmosfera”, diz Dominic Papineau, professor da University College de Londres, que recolheu as amostras utilizadas no novo estudo em 2008.

Até cerca de 8.000 anos atrás, a rocha estava coberta pela camada de gelo que uma vez se espalhava até o que agora é o nordeste dos Estados Unidos, mas quando a camada de gelo recuou, deixou as rochas expostas e polidas. Há pouco solo ou vegetação lá agora. A maior parte da área é dominada por rochas vulcânicas, mas há um trecho de menos de 2 quilômetros de rocha sedimentar, onde traços de vida de 4 bilhões de anos atrás têm uma pequena chance de sobreviver.

Estas rochas foram formadas primeiramente de uma camada lamacenta do sedimento subaquático, onde os micro-organismos poderiam prosperar. Em algum ponto, essa camada de sedimento mineralizado e transformado em rocha, foi mergulhado em uma peça antiga de cráton continental, um grande pedaço da crosta terrestre.

Em alguns lugares do mundo, pedaços da crosta terrestre movem-se uns contra os outros de modo que um é empurrado sob o outro, iniciando uma espécie de fusão, cria vulcões e destrói qualquer evidência da vida antiga na rocha sedimentar.

Estas pedras mais antigas de rocha sedimentar provavelmente sobreviveram porque estavam escondidas dentro de um cráton. São pequenas relíquias da história mais antiga do nosso mundo: quase toda a rocha que estava por perto desapareceu, por erosão, ou foi transformada através de metamorfose.

Rocha antiga da Groenlândia

Rocha antiga da Groenlândia: James SR John/CC BY 2.0

Algumas dessas antigas rochas foram descobertas há décadas. Na Gronelândia, os cientistas identificaram pela primeira vez as rochas arqueanas nos anos 60 e 70, mas, apesar de serem bem conhecidas, essas rochas nem sempre foram acessíveis. Uma descoberta, relatada no ano passado, veio de um local da Groenlândia que tinha sido revelado em uma fonte excepcionalmente quente, quando a chuva lavou a neve.

“Esse é possivelmente um dos únicos resultados positivos das mudanças climáticas”, diz Papineau. “A camada de gelo na Gronelândia tem derretido, liberta e expõe essa base.” Se há mais rochas antigas que duraram através dos tempos, elas podem estar escondidas debaixo do gelo na Groenlândia ou na Antártica.

Uma vez localizados esses locais, cientistas como Papineau procuram manchas promissoras para provar, onde a composição da rocha contém sinais de vida. Papineau amostrou as rochas no novo estudo de um afloramento muito pequeno que se destacou na extensão de cinza escuro e verde no cinturão de rochas do Québec. “Havia um lugar muito localizado ao longo desta grande unidade”, disse ele. “Estava vermelho”. Perto dele estavam rochas cor de laranja. Estas cores incomuns indicaram uma concentração de ferro, que está associada com antigos micro organismos. É assim que ele sabia que tinham que levar uma peça de volta ao laboratório.

Fonte: Atlas Obscura

Anúncios

Uma resposta para “4 lugares na Terra para buscas as primeiras evidências de vida

Participe da discussão

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s