O futuro do extremismo: Inteligência Artificial e biologia sintética transformarão o terrorismo


Não existiam muitas pessoas que conheciam ou ouviram falar sobre o bioterrorismo antes do 11 de setembro. Mas logo após os atentados terroristas de 11 de setembro, uma onda de propaganda sobre o antraz desviou a atenção do público para uma nova arma no arsenal de terroristas, o bioterrorismo. Um procurador federal dos Estados Unidos descobriu que um investigador biológico do exército era responsável por enviar as cartas com antrax, que mataram 5 pessoas e colocaram 15 pessoas no hospital em 2001. Os casos geraram uma enorme atenção da mídia e o medo de um novo tipo de guerra terrorista estava surgindo.

No entanto, como com em todo sensacionalismo da mídia, sobre o bioterrorismo não foi diferente, desapareceu rapidamente.

Mas, olhando para o futuro, creio que talvez não prestemos tanta atenção a ele quanto deveríamos. Embora possa ser assustador, temos de nos preparar para o pior. É a única maneira que podemos estar preparados para mitigar os danos de quaisquer abusos prejudiciais se (e quando) eles surgem.

Em última análise, isso significa investir em pesquisas relacionadas à política e à governança em torno de uma série de novas tecnologias. É aqui que reside uma das preocupações mais prementes.

Inteligência aumentada

A inteligência artificial

A inteligência artificial poderá ser nossa última invenção?

No futuro, os implantes cerebrais serão capazes de capacitar os seres humanos com super poderes com a ajuda de chips que nos permitem ouvir uma conversa de um quarto, nos dar a capacidade de ver no escuro, vamos controlar o humor, restaurar nossas memórias, Ou fazer o “download”, como na trilogia do filme The Matrix. No entanto, neuro-dispositivos implantáveis também podem ser usados como armas nas mãos das pessoas erradas.

Quando tivermos implantado microchips em nossos cérebros para melhorar as capacidades cognitivas, poderia servir como uma plataforma para hackers causarem danos a distância. Eles poderiam ativar as funcionalidades, desligar os dispositivos ou bombardear o cérebro com mensagens aleatórias. Eles poderiam até mesmo controlar o que você está pensando e, por extensão, como você age.

Felizmente, existem várias iniciativas que buscam entender exatamente como essas tecnologias podem funcionar, o que poderia nos dar o conhecimento necessário para sempre estarmos um passo à frente.

A medicina do amanhã

Conforme o mercado de portáteis e de sensores médicos começa a crescer verdadeiramente, é lógico pensar com antecedência no que poderia seguir a essa “revolução wearable”(itens de vestir). Acho que o próximo passo será o interior, digestables e tatuagens digitais.

“Insideables”(itens para inserir no corpo) significa dispositivos implantados no corpo, geralmente apenas sob a pele. Na verdade, existem pessoas que já têm tais implantes, que eles podem usar para abrir um laptop, um smartphone, ou até mesmo a porta da garagem. “Digestables”(itens para digestão) são pílulas ou aparelhos minúsculos que podem ser engolidos, o que poderia fazer coisas como rastrear a digestão e a absorção de drogas. “Tatuagens digitais” são tatuagens com capacidades “inteligentes”. Eles podem facilmente medir todos os nossos parâmetros de saúde e sinais vitais.

A Inteligência Artificial não é uma ameaça, mas a internet da coisas poderá ser

Todos esses dispositivos minúsculos podem ser usados indevidamente, alguns poderiam ser usados para infundir drogas letais em um organismo ou tirar uma pessoa de sua privacidade. Essa é a razão pela qual é de extrema importância prestar atenção ao aspecto de segurança desses dispositivos. Eles podem ser vulneráveis a ataques, e nossa vida (literalmente) dependerá das precauções de segurança da empresa que desenvolve os sensores. Isso pode não parecer muito reconfortante – colocar sua saúde nas mãos de uma empresa -, mas os implantes de microchips estão fortemente regulamentados nos EUA, e por isso já estamos olhando para as questões que envolvem esse avanço.

A revolução da nano robótica

Nano robôs em medicina

Conceito da nanotecnologia medicina como um grupo de nano robôs microscópicos ou nanobots programado para matar células cancerosas ou doenças humanas como um símbolo cura cuidados de saúde futurista

No futuro, os robôs em nanoescala podem viver em nossa corrente sanguínea ou em nossos olhos e prevenir qualquer doença alertando o paciente (ou médico) quando uma condição está prestes a se desenvolver. Eles podem interagir com nossos órgãos e medir cada parâmetro de saúde, intervindo quando necessário.

Nano robôs são tão minúsculos que é quase impossível descobrir quando alguém, por exemplo, coloca um em seu copo e você o engole. Algumas pessoas têm medo de que, usando esses dispositivos minúsculos, a vigilância total se tornaria viável. Também pode haver a possibilidade de utilizar nano robôs para fornecer tóxicos ou até mesmo drogas letais para os órgãos.

Nanorrobôs controlados pela mente são usados para liberar substâncias químicas em Baratas vivas

Ao pesquisar maneiras de identificar quando esses nano robôs estão sendo utilizados agora, poderíamos potencialmente evitar seu uso indevido no futuro.

Robótica avançada

robotica-avancada

Os robôs estão rapidamente se tornando onipresentes em uma série de indústrias. Os robôs cirúrgicos constituem um dos mais importantes avanços. Por exemplo, o Sistema Cirúrgico da Vinci permite que um cirurgião opere com visão, precisão e controle aprimorados. No entanto, esses tipos de robôs têm certas indicações de segurança e privacidade que não são exploradas em detalhes ainda. Mas já há sinais de que eles poderão ser explorados.

No ano passado, o MIT relatou que pesquisadores da Universidade de Washington demonstraram com êxito que um ataque cibernético pode ser realizado contra telerrobôs médicos. Imagine o que pode acontecer se um hacker interrompe uma operação perturbando a conexão de comunicação entre o cirurgião robô e os comandos humanos que dão ao bisturi robótico. A criptografia e autenticação adequadas não podem neutralizar todo tipo de ataque, mas as empresas precisam investir nisso agora para garantir que as operações sejam seguras.

Colocar ferramentas científicas nas mãos do povo

edicao-de-genes

Os laboratórios comunitários, como The Citizen Science Lab, em Pittsburgh, estão ficando cada vez mais populares. O objectivo destes laboratórios é suscitar mais interesse nas ciências da vida nos cidadãos, desde crianças pequenas até pensionistas. Nestes laboratórios, as pessoas podem (na maior parte) trabalhar em tudo o que querem, desde a produção de uma droga até a utilização do editor de genoma. No entanto, tais projetos de biotecnologia DIY levantam uma série de preocupações de segurança.

À medida que o preço do equipamento de laboratório diminui, os elementos da experimentação científica tornam-se acessíveis a uma grande variedade de pessoas … Claro, isso inclui criminosos e terroristas, que podem usar esses laboratórios para criar drogas, biomateriais para uso de armas ou substâncias sintéticas nocivas. Organismos.

A edição de genes humanos está prestes a acontecer, mas não se assuste, não ainda!

A Administração de Alimentos e Drogas dos EUA realizou um workshop em 2016, a fim de compreender melhor a impressão 3D e bio impressão e como essas tecnologias podem ser usadas e abusadas. Conversas semelhantes estão ocorrendo atualmente sobre a edição do gene CRISPR; Entretanto, precisam ser acelerados e expandidos para incluir toda a comunidade de especialistas, pesquisadores e inovadores.

Um novo tipo de inteligência

inteligencia-artificial-completa

A inteligência artificial está se expandindo a um ritmo incrível e, claro, o maior medo não é que a IA levará nossos empregos… é de que elas podem tirar nossas vidas.

A preocupação é que os sistemas de IA se tornarão tão sofisticados que funcionarão melhor do que o cérebro humano e, depois de um tempo, eles assumirão o controle. Na verdade, Stephen Hawking disse que o desenvolvimento da inteligência artificial completa poderia significar o fim da raça humana. Elon Musk teve sentimentos semelhantes, e em resposta, lançou OpenAI, uma empresa de pesquisa sem fins lucrativos que visa promover e desenvolver cuidadosamente a IA que segue a ética humana. A organização planeja, em última instância, tornar suas patentes e pesquisas abertas ao público.

De longe o cenário mais assustador envolve a pirataria dos sistemas de IA que teremos. Imagine um carro autônomo que não está mais sob seu controle. Ou imagine um drone militar que já não é mais controlado pelos militares.

Esse é certamente um mundo que devemos evitar, e por isso temos de agir agora para evitar estas coisas.

Fonte: Futurism

Anúncios

Uma resposta para “O futuro do extremismo: Inteligência Artificial e biologia sintética transformarão o terrorismo

  1. Pingback: Milhões de smartphones podem ser vulneráveis a hacks via ondas sonoras | S U P R I M A T E C·

Participe da discussão

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s