Sense8: os criadores da trilogia Matrix em uma nova casa


sense_8Ninguém jamais pôde acusar os irmãos Wachowski de falta de ideias. A equipe de filmagens de Cloud Atlas e Trilogia Matrix construíram uma carreira na criação de mundos que as pessoas nunca viram, eles se espelham nas profundas questões que envolvem a natureza da existência humana e no nosso lugar no universo. O que eles têm lutado nos últimos 10 anos foi na criação de personagens de valor e que se importam com uma causa.

Depois de Bound, um filme de 1996 cujo título brasileiro é “Ligadas pelo Desejo”, e The Matrix que teve seu sucesso ao trazer para vida real efeitos visuais deslumbrantes, Andy e Lana Wachowski ficaram grande parte do tempo no deserto fazendo filmes sobre conceitos estilísticos e ideias intelectuais abstratas sem ter o mesmo nível de relevância cultural que eles tiveram anos atrás.

No inicio deste ano com o lançamento do filme Jupiter Ascending ficou no ar uma questão sobre o tamanho dos seus filmes, se eles estavam tentando forçar demais as limitações de um filme médio, e se mudarem para uma forma mais longa, talvez alguma produção baseado em serie na maneira de contar as histórias poderia ser uma boa resposta.

Agora a Netflix está já está com Sense8, uma série de TV com 12 episódios que foi criada pelos irmãos juntamente com o escritor J. Michael Straczynski de Babylon 5, talvez agora seja a hora de responder essa questão de tempo.

Sense8 gira em torno de um grupo de oito indivíduos em todo o mundo – ou “sensates” – todos são capazes de trocar e experimentar os sentidos uns dos outros. Um policial de Chicago (Brian J. Smith) é perturbado por dance music ao lado de sua porta, quando na realidade é um set que um DJ em Londres chamado Riley (Tuppence Middleton) está tocando. Uma mulher em Mumbai (Tina Desai) pega um guarda-chuva em um dia ensolarado, enquanto em Berlim um jovem criminoso (Max Riemelt) chega a um funeral encharcado de chuva.

Isso prevê um tecido conjunto e divertido na maneira como o primeiro episódio se desenrola, fazendo uma conexão bastante heterogénea de histórias – e é claro que não seria um programa de televisão sobre pessoas com poderes misteriosos se não houvesse algum tipo de conspiração sombria em jogo. Neste caso Naveen Andrews está perdido, ele interpreta uma figura enigmática tentando unir o grupo de oito por razões desconhecidas (ou, pelo menos, as razões que permaneceram desconhecidos durante os três primeiros episódios exibidos na Netflix).

O conjunto soa como Heroes ou qualquer outra série a partir do ano de 2000, mas os Wachowskis, que dirigiram todos os episódios da temporada, diferenciaram seu show tendo uma aproximação de gênero diferente onde a história de cada personagem se aproxima.

sense_s8A série foi gravada em oito países diferentes e os Wachowski esticaram suas pernas, claramente se divertindo com essa expansão de produção que estão trabalhando, sem nunca sacrificar a sua atenção ao detalhe assinatura ou estilo. Seja ele um slow-motion detalhista e pesado ou uma festa rave agitada, não há dúvidas: Será completamente Wachowski!

Algumas vezes o estilo visual de Sense8 pode soar como um retrocesso, mas tudo, desde o conceito, a abertura, os créditos, a fonte e a música sugerida (um refrão velado de “Pyramid Song” da banda Radiohead)nos faz ficar vidrados desde o início. No começo a trama está um tanto dispersa, especialmente vindo de cineastas que estão acostumados a forçarem as coisas a qualquer custo, fato que não ajuda muito Sense8 a se diferenciar das demais séries do mesmo tipo. Mas conforme ele se desenrola e pega vapor em temas familiares ele começa a estabelecer sua própria e única identidade. Os irmãos Wachowski defendem o tema de que estamos todos interconectados de alguma maneira, através de linhas de raça, sexualidade, gênero e classe social. Por volta do final do terceiro episódio quando a série finalmente tem a chance de adicionar o empenho e a visão dos irmãos, ou seja, a ação finalmente entra em cena e te faz querer mais e mais.

Mas todos esses floreios e conceitos pálidos fazendo comparação entre as histórias dos personagens é exatamente o que Sense8 quer dizer. Embora existam crimes, encarceramentos injustos, e perseguições, ao longo dos três primeiros episódios, as reviravoltas bombásticas são relativamente raras e não há um sci-fi fantástico para ser visto. Em vez disso, a séria leva o seu tempo, a construindo seu mundo em momentos metódicos.

sense_s8jO enredo não é tão pesado como muitos espectadores compulsivos vão querer, mas a abordagem dá uma sensação de intimidade para serie nunca vista antes nas produções dos irmãos Wachowski. E em nenhum outro isto é mais aparente do que na história de Nomi (Jamie Clayton), um escritor transgênero que vive em San Francisco. O personagem é simplesmente e incrivelmente relacionável, ​​trazido à vida pelo desempenho impecável de Clayton. Ela que é o coração pulsante de Sende8 permite que os irmãos Wachowski vão além na discussão intelectual embutindo ideias na série como se tivesse uma alma real. Sense8 é um das mais diversas séries na memória recente, que merece elogios por si só, porém, também a impressão é como esse ainda não está o ponto.

A partir da produção de abrangência global nas escolhas ousadas de personagens, Sense8 parece exatamente o tipo de espetáculo que a Netflix precisa fazer para permanecer vital – um que poderia ser igualado apenas pelos gostos da HBO. E para os Wachowski , é um novo começo: a chance de se adaptar a um meio novo e começar um novo capítulo em suas carreiras quando as chances são de eles nunca poderem voltar a obter a rédea livre na produção de filmes de grande orçamento que apreciaram uma vez. Claro, muitas séries tiveram começos promissores para apenas entrar em colapso durante os capítulos que se seguem; os Wachowski já fizeram isso uma vez com a  trilogia Matrix. É claro que tudo que é diferente causa um pouco de aversão no inicio, pelo simples fato de aceitação das consoantes da série, fatos inusitados e que mechem com as ligações que temos com a humanidade e nossa terra, as conexões que temos com as pessoas, é algo que vamos ver bastante em Sense8 uma série que vale a pena conferir.

Fonte: The Verge

Anúncios

Uma resposta para “Sense8: os criadores da trilogia Matrix em uma nova casa

Participe da discussão

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s